DSTs Quais são os exames que identificam e quando fazê-los

DSTs: Quais são os exames que identificam e quando fazê-los





As doenças sexualmente transmissíveis ou DSTs como são popularmente conhecidas, são infecções (virais ou bacterianas) adquiridas por meio das relações sexuais sem nenhum tipo de proteção. São consideradas uns dos grandes problemas de saúde pública no mundo.

Segundo dados do Ministério da Saúde (MS), mais da metade da população brasileira com idades entre 16 e 25 anos é portadora de HPV – um dos tipos mais comuns. A maior preocupação hoje está voltada para adolescentes e jovens adultos que não fazem uso de preservativos em suas relações.

→ Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) mostram que o uso da camisinha é inferior a 40% no mundo todo.

Para esses jovens, o principal motivo do abandono do preservativo é a crença de que muitos desses problemas não os atingem e também que a evolução em seus tratamentos fazem com que essas doenças deixem de ser uma sentença de morte, trazendo uma falsa segurança em relação a elas.

AIDS e Sífilis: cresce o número de infectados

Uma das DSTs que mais preocupam os órgãos de saúde e a população mundial é a AIDS. Transmitida pelo vírus HIV, o seu índice de contágio praticamente dobrou nos últimos anos.

DSTs Quais são os exames que identificam e quando fazê-los

Dados recentes mostram que em 2005 o número de infectados era de 16,2 casos para cada 100 mil habitantes e em 2015, último levantamento feito pelo MS, esse número era de 33,1 casos para 100 mil habitantes. De 827 mil infectados no Brasil, 112 mil pessoas não sabem que têm o vírus.

Além dela, outra doença que começa a preocupar é a Sífilis, devido a sua gravidade e suas complicações que podem levar o indivíduo a morte. O aumento não foi só nos casos de sífilis adquirida (por transmissão sexual) em adultos, mas também da congênita, transmitida da mãe para o bebê, que pode ocorrer durante toda a gestação.

A sífilis adquirida teve um aumento de 32,7%, a sífilis em gestantes 20,9% e congênita, de 19%, sendo que a maioria dos casos de sífilis adquiridas acontecem em homens.

O aparecimento de verrugas, corrimentos e dores durante as relações sexuais são os principais sinais do surgimento das DSTs no organismo. A maioria delas, como a sífilis, clamídia, herpes e HPV apresentam esses sintomas, entretanto, algumas como o HIV e a hepatite podem surgir de maneira silenciosa, dificultando o diagnóstico e o tratamento precoce.

A preocupação com a transmissão das DSTs não pode ser ignorada, e a conscientização por parte da população deve ser cada vez mais reforçada.

O aparecimento dessas doenças pode afetar negativamente a vida de uma pessoa, trazendo sérios problemas como infertilidade, doenças pélvicas, aborto espontâneo, infecções congênitas, câncer e até mesmo levar à morte.

Desta maneira, a realização de exames para detectá-las e com isso iniciar o tratamento correto, deve acontecer sempre que o indivíduo tiver relações sexuais sem proteção ou ainda, algum contato direto com fluídos corporais de quem tenha sido infectado. Além de garantir um tratamento seguro e adequado, essa medida ainda evita que essas infecções sejam passadas para mais pessoas.

Quando fazer os exames de DST

Muitas pessoas acabam se preocupando com o contágio das doenças após o sexo desprotegido e acabam realizando exames para detectá-las de maneira precoce dificultando o diagnóstico, já que, muitas delas demoram alguns dias para serem identificadas.

O tempo ideal para a realização desses exames é a partir de 48 horas depois da relação. Isso porque o vírus ou a bactéria pode não aparecer nos exames antes desse período.

Mesmo não identificado, é importante  que os exames sejam novamente realizados dentro de alguns meses para garantir o diagnóstico, principalmente se a pessoa apresentar algum desses sintomas.

As DSTs mais comuns e os principais exames a serem solicitados são:

» HIV/AIDS: Os exames mais comuns para detectar o HIV são o teste anti-HIV e o imunoensaio enzimático (ELISA). Quando o anticorpo anti-HIV é identificado no sangue, é necessário que o teste confirmatório seja feito. Além disso, o HIV pode ser descoberto também através da doação de sangue.  

Esses testes indicam a presença do vírus por meio de seu conteúdo genético (RNA viral no sangue) ou pela presença de anticorpos que estão tentando combater o vírus.

– Quando solicitar: O exame pode ser realizado a partir de 3 semanas após a relação suspeita e também dentro de um período de 3 meses.

»  Sífilis: A sífilis pode ser identificada através de vários exames, mas o principal é o exame de sangue. Nesse exame será indicada a presença de anticorpos contra a bactéria treponema.

– Quando solicitar: A coleta pode ser feita a qualquer momento quando houver lesão genital ou de outra mucosa. A sorologia torna-se positiva de 2 a 4 semanas após a exposição e permanece positiva por tempo indeterminado.

»  Clamídia: Por ser uma doença que na maioria dos casos não manifesta sintomas, os adultos sexualmente ativos devem realizar esses exames periodicamente. Os exames usados para identificar a clamídia são sorologia e PCR na urina.

– Quando solicitar: Após alguns dias da infecção, a doença já pode ser identificada.

» Herpes genital: Na maioria dos casos o exame físico pode bastar para o diagnóstico. Mas o médico pode optar pela realização de alguns exames, como cultura de vírus, PCR e exame de sangue.

Os resultados do exame de sangue mostram se há presença ou não de anticorpos contra os vírus do herpes genital, indicando se houve infecção em algum momento.

– Quando solicitar: Alguns dias após a infecção mesmo que ela não apresente sintomas.

» Hepatite B: O diagnóstico de hepatite é feita por exames de sangue com altos níveis de transaminases, ALT, AST, fosfatase alcalina, gama GT e bilirrubinas. A hepatite B também pode ser descoberta por acaso, através de doação de sangue.

Nesses casos os exames indicam infecção pelo vírus  através da presença de anticorpos ou de partes do vírus no sangue.

– Quando solicitar: De 30 a 90 dias ou antes se apresentar sintomas.

» HPV:  pode ser descoberto por meio de exames de rotina, como o papanicolau, colposcopia, vulvoscopia, peniscopia ou anuscopia. Exames como o teste genético PCR também podem ser feitos.

– Quando solicitar: O HPV tem uma incubação que pode durar de dias até anos, portanto o exame pode ser feito quando surgir a suspeita da doença.

Onde realizar os exames de DST

Por meio de um acompanhamento médico, todos esses exames, principalmente os laboratoriais podem ser feitos em nossas unidades em Juiz de Fora e região e também em unidades básicas de saúde. Nosso laboratório oferece mais de 1000 exames capazes de identificar diversas doenças.

A coordenadora de recepção Clara Rezende, explica que para a realização desses exames existem algumas solicitações específicas:

“Caso o paciente deseja realizar o exame de maneira particular, ele pode ser feito a qualquer momento, sem guia médica, desde que as instruções de coleta sejam corretamente seguidas. Somente em casos que o paciente realizará o exame por meio de algum plano de saúde, é que a guia médica é solicitada.”

Se os resultados dos exames forem positivos, a pessoa poderá realizar o tratamento nas redes públicas de saúde ou através de um acompanhamento médico de sua escolha.

É importante ressaltar que a melhor forma de prevenção dessas doenças é através do uso de preservativos, mas algumas delas, já tem vacinas disponíveis, como é o caso da Hepatite e B e do HPV.

Acreditamos que a prevenção é a melhor e mais eficiente maneira de cuidar da sua saúde e de seus familiares. Por isso, nossas clínicas de vacinação e nossos laboratórios estão sempre buscando o melhor atendimento para você.

Você já baixou o nosso app?

A partir de agora você pode acessar os resultados de  seus exames laboratoriais sem precisar sair de casa. Com o aplicativo Côrtes Villela, disponível na Google Play e Apple Store, o laboratório oferece os seus principais serviços para você com comodidade e segurança.

  


WhatsApp chat