sintomas do coronavírus

Como lidar com os sintomas do coronavírus em casa?





Como você já deve saber, ainda não existe um tratamento oficial contra a Covid-19, embora diversos medicamentos estejam sendo testados para combater a doença. Nesse caso, a principal orientação dos médicos é controlar os sintomas do coronavírus até que o corpo se cure da infecção.

Analgésicos e antitérmicos estão sendo prescritos para aliviar os incômodos causados pela doença no corpo. 

No entanto, por se tratar de uma patologia ainda desconhecida, é preciso ter atenção com o autocuidado, uma vez que ele pode trazer complicações.

Pensando nisso, o laboratório Côrtes Villela preparou este artigo para te ajudar, caso você apresente algum sintoma da doença. Continue lendo!

Quais são os sintomas do coronavírus?

A primeira coisa que você precisa estar atento é sobre quais são os sintomas do coronavírus, já que eles podem ser facilmente confundidos com os de uma gripe

As pesquisas têm apontado que mais de 80% dos casos da Covid-19 são leves e apresentam febre, cansaço e tosse seca

Alguns pacientes também podem ter dores, congestão nasal, corrimento nasal, dor de garganta ou diarréia. Esses sintomas geralmente são leves e começam gradualmente.

Ainda existe a situação em que as pessoas são infectadas, mas não chegam desenvolver sinais da doença.

Entretanto, pessoas idosas ou com doenças crônicos, como pressão alta, problemas cardíacos ou diabetes, têm maior probabilidade de desenvolver problemas graves, como:

– dificuldade para respirar;

– falta de ar;

– insuficiência pulmonar;

– choque séptico; 

– falência de órgãos.

Se não tiverem acompanhamento médico correto, tais condições podem levar à morte.

O que fazer diante de sintomas leves?

O que se sabe até agora é que a maioria das pessoas se recuperam da doença sem precisar recorrer a tratamento especial. 

Estando em repouso, você deve adotar as práticas de autocuidado, que inclui:

– hidratação: beba muita água e sucos naturais; 

– alimentação saudável: evite alimentos gordurosos e frituras, prefira as frutas da estação;

– evite bebidas alcoólicas;

– evite fumar;

– utilize medicamentos para aliviar os sintomas, como analgésico e antitérmicos;

– não utilize anti-inflamatórios, como ibuprofeno.

Em caso de dúvidas e orientações sobre procurar ou não o pronto socorro, o Ministério da Saúde disponibilizou o telefone 136. A ligação é gratuita

Saiba que o repouso é fundamental para sua recuperação. 

Além disso, este pode ser um período para mudança de hábitos, ler, assistir sua série preferida ou desenvolver um novo talento como música, culinária etc.

É necessário me afastar dos demais moradores?

O Ministério da Saúde aconselha que a pessoa que apresente sintomas se isole, durante 14 dias, em um cômodo da casa, com a porta fechada e as janelas abertas para circulação de ar.

Também é preciso respeitar um distanciamento de pelo menos um metro dos demais residentes da casa, além de efetuar a limpeza de maçanetas, vaso sanitário e móveis com álcool 70% ou água sanitária. 

Objetos como talheres, lençóis, copos e toalhas não devem ser compartilhados, assim como o lixo produzido pelo assintomático também precisa ser separado.

De qualquer forma, é necessário respeitar as recomendações quanto ao isolamento social, estando infectado ou não, pois uma grande parcela das pessoas que contraem a doença não apresenta sintomas.

Quando devo ir ao hospital por conta do coronavírus?

Deve buscar atendimento presencial quem apresentar febre alta (acima de 39°C) e dificuldade para respirar. 

O principal intuito dessa medida é evitar a sobrecarga do sistema de saúde de forma desordenada e o contágio de pessoas que ainda não foram contaminadas pelo coronavírus.

Quando o coronavírus exige internação?

A dificuldade para respirar é o principal sintoma do coronavírus que leva à internação.

Para optar pela internação, os médicos medem a saturação de oxigênio, a frequência respiratória e alterações na ausculta pulmonar — a já conhecida “escutada do peito” feita com o estetoscópio.

Caso necessite de internação, o  paciente recebe oxigênio suplementar para auxiliar o trabalho dos pulmões. 

Ele pode ser ofertado tanto por um cateter nasal quanto por ventilação mecânica, quando o internado é conectado por um tubo a uma máquina que faz a respiração de forma artificial. 

Essa segunda estratégia precisa ser feita na Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

O tempo sob cuidados intensivos costuma ser longo.

Depois da alta, o acompanhamento precisa ser continuado, pois há indícios iniciais de que a Covid-19 deixa sequelas no pulmão. 

Algumas pessoas podem perder a funcionalidade de algumas áreas, culminando em menor capacidade respiratória.

Lembre-se que ficar em casa, adotar o repouso e as recomendações de autocuidado são suficientes para lidar com casos mais leves do coronavírus.

Evidentemente que é preciso ficar atento à evolução do quadro. Sintomas leves, como tosse e coriza prolongadas por vários dias, não são preocupantes. 

Mas, se você apresentar  febre alta persistente e tosse acompanhada de desconforto respiratório, procure atendimento médico imediatamente

Caso ainda possua dúvidas sobre como lidar com sintomas do coronavírus, acesse nosso blog. Temos informações incríveis te esperando lá.


WhatsApp chat