Exame Papanicolau

Exame Papanicolau: Tudo sobre detecção, importância e resultados





O exame Papanicolau, também conhecido como preventivo, é um teste ginecológico fundamental para a saúde das mulheres, sobretudo, a partir do momento em que se inicia a vida sexual. 

Ele tem como objetivo detectar alterações e doenças no colo do útero, como inflamações, lesões provocadas pelo Papilomavírus Humano (HPV) e o câncer do colo do útero, o terceiro tumor maligno mais frequente na população feminina.

Ficou curiosa para saber mais sobre o exame Papanicolau? Continue lendo este artigo!

O que é o exame papanicolau?

O exame Papanicolau é um teste bem simples e rápido que colhe células do colo do útero para serem analisadas em um laboratório.

Como já explicamos acima, seu principal objetivo é a prevenção contra o câncer de colo de útero. 

O nome “Papanicolaou” é uma homenagem ao patologista grego Georges Papanicolaou, que criou o método no início do século.

Por que o exame papanicolau é importante para a saúde feminina?

O exame Papanicolau é a principal estratégia para detectar lesões ou alterações do tecido uterino ocasionadas pelo HPV precocemente, além de possibilitar o diagnóstico da doença bem no início, antes que a mulher apresente sintomas.

Além do mais, o papa, carinhosamente conhecido assim, também identifica algumas infecções vaginais, como:

  • candidíase;
  • tricomoníase;
  • vaginose bacteriana por Gardnerella vaginalis.

Doenças sexualmente transmissíveis como: 

  • clamídia; 
  • gonorreia; 
  • sífilis;
  • HPV.

Além de avaliar a saúde do colo do útero e a presença de cistos de Naboth, pequenos nódulos que costumam ser formados em virtude do acúmulo de líquido liberado por glândulas presentes no colo do útero.

Como é feito?

O exame Papanicolau é simples, rápido e realizado no próprio consultório do ginecologista. 

A mulher se deita em posição ginecológica, com as pernas elevadas e apoiadas por um suporte, enquanto que, para a coleta do material, o ginecologista introduz na vagina um instrumento chamado espéculo, aparelho que lembra um bico de papagaio.

Logo após, o médico faz a inspeção visual do interior da vagina e do colo do útero, e em seguida provoca uma pequena escamação da superfície externa e interna do colo do útero com uma espátula de madeira e uma escovinha.

Neste momento, é comum sentir desconforto ou sensação de pressão no interior do útero.

Assim que as células são colhidas, são colocadas em uma lâmina e enviadas para análise em laboratório especializado em citopatologia.

O Côrtes Villela é um laboratório credenciado para análise desse material, mas é importante que você saiba que coleta do exame só deve ser feita por um médico especialista e encaminhada para alguma de nossas unidades.

Quem deve e quando fazer o exame papanicolau?

O exame Papanicolau é indicado para mulheres que iniciaram a vida sexual, até os 65 anos, tendo prioridade a faixa etária dos 25 aos 65 anos.

Cabe ressaltar que o papanicolau também pode ser feito por mulheres virgens após os 21 anos, com objetivo de avaliar o colo uterino e identificar possíveis alterações. 

Mas, nestes casos, deve-se utilizar material especial e seguir a orientação do médico.

Inicialmente, esse exame deve ser realizado anualmente. Porém caso o resultado apresente normalidade na estrutura do útero por 2 anos seguidos, o exame pode ser realizado a cada 3 anos. 

Essa recomendação acontece em função da evolução lenta do câncer de colo de útero, permitindo que as lesões pré-cancerígenas e cancerígenas sejam identificadas de forma precoce e o tratamento possa ser iniciado em seguida.

Mulheres com 64 anos ou mais, que nunca fizeram o Papanicolau, deve realizar dois exames com intervalo de 1 a 3 anos entre eles. 

No caso de mulheres com lesões indicativas de câncer de colo de útero, o acompanhamento é feito semestralmente.

Gestantes podem fazer o exame papanicolau até o quarto mês. É recomendado que ele seja realizado na primeira consulta de pré-natal, caso a mulher não o tenha feito recentemente. 

O exame é seguro para o bebê, uma vez que não atinge o interior do útero nem o feto.

Quais são os cuidados e a preparação para o exame?

Para fazer o exame, a mulher não pode ter feito sexo nas últimas 48 horas anteriores ao exame. 

Além disso, ela deve evitar usar duchas para higiene íntima e o uso de medicamentos ou anticoncepcionais vaginais pelo mesmo período.

É importante também que não esteja menstruada, porque a presença de sangue pode alterar o resultado.

A coleta deve ocorrer entre o décimo e o 20° dia depois do primeiro dia da última menstruação.

Como interpretar os resultados?

Após a avaliação minuciosa no laboratório, que dura alguns dias, o paciente recebe o laudo. O exame vai apontar os fungos e as bactérias encontrados na amostra, além de classificar as eventuais anormalidades observadas nas células, podendo ser:

  • Classe I: o colo do útero está normal e saudável;
  • Classe II: presença de alterações benignas nas células, que normalmente são causadas por inflamação vaginal;
  • Classe III: inclui NIC 1, 2 ou 3 ou LSIL, o que significa que existem alterações nas células do colo do útero e o médico poderá prescrever novos exames para procurar a causa do problema, que pode ser o HPV;
  • Classe IV; NIC 3 ou HSIL, que indicam um provável início do câncer de colo de útero;
  • Classe V: presença de câncer de colo de útero.
  • Amostra insatisfatória: o material colhido não foi adequado e o exame não pode ser realizado.

Além de servir para a detecção de lesões precursoras do câncer do colo do útero e da infecção pelo HPV, o Papanicolau indica se você tem alguma outra infecção que precisa ser tratada.

Siga corretamente o tratamento indicado pelo seu médico, após o resultado. Em alguns casos, será preciso que o seu parceiro também receba tratamento. Por isso, é bom que ele vá ao serviço de saúde receber as orientações diretamente dos profissionais.

Gostou do artigo sobre o exame Papanicolau? Saiba mais sobre saúde feminina em nosso blog.


WhatsApp chat