Caxumba: O que é e como se prevenir





A caxumba é uma doença viral que afeta as glândulas parótidas (glândulas que produzem a saliva), situadas entre das orelhas. Assim como muitas doenças virais, a caxumba é mais comum no inverno e afeta principalmente crianças e adolescentes.

O Ministério da Saúde (MS) não tem dados específicos sobre os surto da doença, já que a caxumba é uma infecção de origem sazonal (épocas específicas do ano) e também por não haver uma notificação compulsória, ou seja, as unidades de saúde não tem obrigação de notificar quantos casos são atendidos.

Entretanto, o índice de contágio dessa doença vem aumentando gradativamente nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, MInas Gerais, Paraná, Sergipe e Amazonas desde 2016.  Só este ano, em Minas Gerais, já foram observados cerca de 1,8 mil casos da doença.

Assim como o sarampo e a poliomielite, a queda no número de vacinados é o que vem ocasionando o aumento da doença no país. Por isso, durante todo o mês de agosto, durante a Campanha Nacional de Vacinação Contra a Poliomielite e o Sarampo, também  será possível se imunizar contra a caxumba por meio da Tríplice Viral, vacina que também combate o sarampo e a rubéola.

Sintomas, transmissão e tratamento da Caxumba

A caxumba é uma doença infectocontagiosa que se espalha de pessoa para pessoa por meio da saliva e também da respiração. Causada por um vírus, ao tossir e espirrar, a pessoa infectada espalha a doença por meio de gotículas contaminadas. Por isso, não é recomendado conversar muito próximo de pessoas contaminadas, beijar e compartilhar utensílios como copos e talheres.

Caxumba O que é e como se prevenir

Uma vez infectada, a pessoa é capaz de passar o vírus para outras pessoas por um período de seis a nove dias antes e depois da manifestação dos sintomas.

Ela faz parte do grupo conhecido como doenças da infância, pois atinge crianças e adolescentes de 5 a 16 anos. Principalmente aquelas em período escolar, já que a aglomeração de pessoas é um dos principais fatores de transmissão da doença.

Alguma pessoas podem ter a doença sem desenvolver qualquer sintoma, segundo o MS isso ocorre em ⅓ dos infectados. O primeiro e principal é o inchaço das glândulas salivares, podendo ser em ambos os lados do pescoço ou em apenas um deles. Outros sintomas são:

– Febre

– Dor de cabeça

– Fadiga e fraqueza

– Perda de apetite

– Dor ao mastigar e engolir

Como todas as outras doenças virais, a caxumba tem o vírus eliminado naturalmente pelo organismo. O tratamento visa apenas aliviar os sintomas como febre e dor de cabeça. através do uso de analgésicos e antitérmicos. O repouso é altamente recomendada para que o contágio da doença não ocorra, evitando assim sua proliferação.

É muito importante que o mesmo seja feito de forma correta,  já que algumas complicações podem surgir e agravar o quadro, podendo desenvolver pancreatite (inflamação no pâncreas) e encefalite. O índice de mortalidade da caxumba é muito baixo, mas suas complicações pode gerar algumas sequelas no organismo.

O que significa dizer que a caxumba “pode descer”

Dados do Ministério da Saúde mostram que de 20% a 30% dos casos de caxumba em meninos podem “descer” e afetar as glândulas dos testículos. Esse quadro de inflamação se chama orquite. Em mulheres acima de 15 anos, cerca de 15% apresentam inflamação no tecido mamário e 5% nos ovários. Essas complicações devem ser evitadas pois podem ocasionar problemas de fertilidade em ambos os gêneros.

Leia também:

Jejum para exames: dicas e cuidados importantes

Pneumonia: Juiz de Fora e região registram mais de 100 mortes

Meningite B: o tipo mais grave da doença atinge as crianças

Prevenção contra caxumba

A melhor e mais eficiente forma de prevenir a caxumba é por meio da vacinação. Aplicada em duas doses,  a primeira entre 12 e 15 meses (Tríplice Viral) e a segunda entre 4 e 6 anos (Tetra Viral). Em adultos não vacinados, a imunização deve ser feita em qualquer idade, exceto em grávidas e imunodeprimidos graves.

Quem já foi infectado pelo vírus da doença, fica imune contra a doença, por isso, a vacinação não é necessária.

Para isso é muito importante que todos estejam atentos ao Calendário Nacional de Vacinação e com o cartão de vacinas em dia.

O que são as vacinas Tríplice e Tetra Viral

Ambas as vacinas são combinações dos vírus vivos e atenuados, capazes de combater e de imunizar o organismo contra doenças para toda a vida. A vacina tríplice viral contém os agentes necessários contra o sarampo, a caxumba e a rubéola. E a vacina Tetra Viral contém esses três agentes combinados ao agente capaz combater a varicela (catapora).

Quem deve ser vacinado

O Ministério da Saúde e a Sociedade Brasileira de Imunização (SBim) recomenda que crianças de 12 meses e menores de 5 anos recebam uma dose de tríplice viral aos 12 meses e uma de tetra viral aos 15 meses.

Crianças de 5 a 9 anos que não foram imunizadas na fase recomendada, devem tomar duas doses de tríplice viral, com intervalo mínimo de 30 dias entre elas.

Da mesma maneira pessoas dos 10 aos 29 anos que não foram vacinadas ou não têm certeza de que foram devem tomar duas doses da tríplice. Adultos de 30 aos 49 anos podem tomar apenas uma dose desta vacina.

Em casos específicos, as organizações recomendam a vacinação através de uma terceira dose, somente em situações de surtos e epidemias.

Acreditamos que a vacinação é a forma mais eficaz de prevenir doenças em qualquer idade.  Por isso, a Clínica de Vacinação do Côrtes Villela oferece essas e outras vacinas durante todo o ano, garantido a você a sua família a proteção necessária para uma ótima qualidade de vida.

cta vacinas Côrtes


WhatsApp chat