Período de chuva: Risco de doenças aumenta nesta época do ano





As estações mais quentes chegaram e, com elas os dias de chuva. Devido ao aumento da temperatura, os meses de outubro, novembro e dezembro são os que apresentam maior incidência de chuva em boa parte do país. Por isso, o alerta para a proliferação de algumas doenças deve ser redobrado nesta época do ano.

As chuvas intensas e o acúmulo de lixo e entulhos em lugares inapropriados aumentam os riscos de alagamento e enchentes, contaminam a água, causam o surgimento e a proliferação de doenças infectocontagiosas – como a leptospirose. Além disso, a ocasião favorece para que surjam criadouros do mosquito Aedes aegypti , principal transmissor do vírus da dengue e da febre amarela.

Nos últimos anos, o Brasil vem sofrendo com surtos dessas doenças em diversos lugares do país, acompanhados ainda do surgimento do vírus da zika e chikungunya – doenças graves que podem causar sequelas e levar o paciente a morte. A febre amarela foi a mais danosa na Região Sudeste durante o ano 2017. Só em Minas Gerais, 170 pessoas morreram com a doença, e outros 314 foram infectados.  Em Juiz de Fora, os dados também foram preocupantes, a cidade lidera o ranking de registros de mortes causadas pela febre amarela no Estado. Até maio de 2018, foram 10 óbitos confirmados.

A dengue também não fica de fora dessa lista. Até outubro de 2018, foram registrados cerca de 25 mil novos casos da doença no Estado e 8 óbitos confirmados até agora. Em Juiz de Fora, o índice da proliferação da doença abaixou, mas isso não descarta a possibilidade de uma epidemia na cidade, mantendo o nível de alerta.

Medidas de prevenção como as campanhas de conscientização e de vacinação da população vêm sendo tomadas para evitar a proliferação dessas epidemias. Mas muitas dúvidas ainda surgem a respeito da sua contaminação e da forma de prevenção de cada uma delas. Por isso, listamos aqui as principais doenças que aparecem no período de chuva e quais as melhores formas delas serem evitadas.

Doenças que surgem no período de chuva

Durante o período chuvoso é possível o surgimento de diversas doenças infectocontagiosas. Elas podem ser causadas tanto pelo contato com água contaminada quanto pela proliferação dos mosquitos transmissores. Por isso, fique atento a alguma delas e saiba como se prevenir:

Leptospirose

Causada por uma bactéria presente na urina do rato, ela  é transmitida em muitos casos pelas enchentes. O contato da pele – principalmente cortes ou machucados – com a água contaminada é suficiente para  o contágio. Seus principais sintomas são: febre, dor de cabeça, dores pelo corpo, principalmente nas panturrilhas (batata-da-perna), podendo também ocorrer vômitos, diarreia e tosse.

Em casos mais graves ocorrem o surgimento de  icterícia (coloração amarelada da pele e dos olhos) e complicações como hemorragia e insuficiência renal e hepática, podendo levar o paciente a morte.

Como se prevenir: a principal medida é evitar o contato com água ou lama de rua. Guardar a comida em locais à prova de ratos, longe de porões e garagens. Caso perceba os sintomas da leptospirose, procure atendimento médico e não use remédios com acetil-salicílico. A automedicação é totalmente contraindicada, pois pode agravar a doença.

Hepatite A

Causada pelo vírus HAV, sua transmissão ocorre pela ingestão de água ou alimentos contaminados com matéria fecal. Os sinais e sintomas da hepatite A geralmente aparecem de 2 a 4 semanas após a infecção pelo vírus, como fadiga, náuseas e vômitos, dor abdominal, perda de apetite, febre baixa, urina escura, dor muscular e icterícia.

Como se prevenir: A vacinação é o melhor método de prevenção contra a hepatite A. Dividida em duas fases – 1 dose inicial e outra após 6 meses – é recomendada para os seguintes casos:

– Crianças de até um ano de idade ou mais velhas que não receberam a vacina ainda

– Pessoas que pretendem viajar para áreas do mundo com alta incidência de hepatite A

– Pessoas portadoras de doença hepática crônica

Outros meios de evitar a contaminação da doença são: não consumir carne e peixes crus ou mal cozidos e lavar bem as frutas, verduras e legumes.

Dengue e Febre Amarela

Causadas pelos vírus transmitidos pelo mosquito Aedes aegypti, são doenças comuns nessa época do ano e se não tratadas corretamente podem levar o paciente a morte. Seus sintomas são bastantes parecidos – principalmente em sua fase inicial -, os principais deles são:

– Febre alta

– Dor muscular

– Mal estar

As complicações causadas pela dengue surgem quando o paciente é infectado mais de uma vez, ocasionando o surgimento da dengue hemorrágica. No caso da febre amarela, os sintomas se apresentam mais graves quando surge icterícia  e o fígado fica com um volume maior. É nessa fase que ocorrem as principais complicações da doença como:

– Vômito

– Dor abdominal

– Arritmia cardíaca

– Convulsão

– Sangramentos espontâneos

A maior diferença entre as duas doenças está no fato de que a febre amarela causa mais mortes que a dengue. Estima-se que a dengue seja letal em menos de 5% dos casos. Já a febre amarela pode produzir manifestações clínicas graves e matar até 50% dos indivíduos infectados.

Como se prevenir: a principal forma de prevenção dessas doenças consiste em evitar que elas se proliferem. A água parada é o principal criadouro do mosquito. Segundo o Ministério da saúde (MS) os ovos do mosquito, que necessitam de água parada para eclodirem, sobrevivem até 450 dias, mesmo que o local onde foram depositados esteja seco. Os cuidados recomendados são:

– Manter a caixa d’água fechada

– Fazer a limpeza das calhas para evitar o acúmulo de água

– Colocar areia nos pratinhos das plantas

– Guardar baldes e garrafas vazias de cabeça para baixo

– Retirar a bandeja da geladeira e higienizar com água e sabão

– Lavar o recipiente de água dos seus animais uma vez por semana

– Tratar a água da piscina com cloro. Caso não esteja em uso, cubra com uma lona.

– Entregar os pneus velhos ao serviço de limpeza urbana ou mantê-los em local coberto

Outras medidas, como o uso de repelentes ajudam a evitar a picada do mosquito. Além disso, a vacinação é altamente recomendada.

Vacinas que previnem contra a dengue a febre amarela

Medidas de prevenção contra doenças são de extremas importância para a saúde e para uma boa qualidade de vida. Além de evitar que o mosquito se prolifere, a forma mais segura de combater os vírus da dengue e da febre amarela é a vacinação.

As unidades de vacinação do Côrtes Villela oferecem as duas vacinas capazes de prevenir contra essas doenças. A vacina da dengue é dividida em 3 doses e recomendada a partir dos 9 anos de idade mas somente para quem já teve a doença.  Já a vacina da febre amarela é recomendada a partir dos 9 meses de vida e aplicada em uma única dose.

Além do serviço e da qualidade das nossas vacinas, nosso paciente conta ainda com o CIVP – Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia –  documento que comprova a vacinação contra essas doenças e que é exigido por 135 países como condição para a entrada de um viajante.

As vacinas podem ser aplicadas em uma de nossas unidades ou ainda pelo serviço de atendimento domiciliar. O atendimento domiciliar é mais um diferencial que o Côrtes Villela oferece com a qualidade, conforto e segurança que nossos pacientes já conhecem.

Como funciona?

Entre em contato pelo número (32)3239-5035 e marque com pelo menos um dia de antecedência.

Quando marcar?

Nosso atendimento funciona de segunda à sexta das 9h às 17h. E aos sábados até as 12h.

Mais de uma pessoa pode ser vacinada?

Sim. Basta escolher quais as vacinas, a hora e o local.

A vacinação é a melhor forma de prevenir doenças e cuidar da sua saúde e de quem você ama!


WhatsApp chat