Artigo sobre Covid- 19






Desde 2020, com o início da pandemia do Covid-19, o Côrtes Villela coletou muitos materiais e  diante desses dados, o laboratório se propôs a contribuir com uma pesquisa científica e técnica para o Jornal Biomedical:  https://biomedres.us

Deixamos abaixo o artigo traduzido:

 

Aspectos Epidemiológicos, Clínicos e Laboratoriais de Processos Infecciosos Causados pelo Sars-Cov-2

 

 

Resumo

Desde dezembro de 2019, a COVID-19 (doença do coronavírus 2019) originária de Wuhan, na China, causada pelo SARS-CoV-2, responsável pela síndrome respiratória aguda grave, tornou-se um grande problema de saúde pública global. A apresentação dessa doenças varia de assintomática a casos graves, que podem levar ao óbito. Tais diferenças nos quadros se devem a fatores clínicos e epidemiológicos. Este estudo tem como objetivo avaliar informações epidemiológicas, clínicas e laboratoriais de pacientes da comunidade com resultado positivo para o coronavírus obtidos em um laboratório primário de Juiz de Fora/Minas Gerais. Esta pesquisa baseou-se na análise de dados de indivíduos de ambos os sexos, maiores de 18 anos, exclusivamente ambulatoriais, com resultado positivo para COVID-19. Este estudo mostrou predominância de indivíduos do sexo masculino como portadores de SARS-CoV-2 (65%, n=13) e média de idade de 41,9 anos, variando de 28 a 64 anos. De acordo com os prontuários, todos os pacientes avaliados apresentavam algum sintoma para COVID-19, sendo os mais frequentes mialgia (50%, n=10), febre e tosse (45%, n=9, ambos). Em relação às comorbidades, as mais prevalentes foram etilismo (25%, n=5) e hipertensão arterial sistêmica (25%, n=5), com uma parcela apresentando também doença do trato respiratório superior 10%, n=2). Os biomarcadores (glóbulos vermelhos, hemoglobina, hematócrito, glóbulos brancos, eosinófilos, bastonetes neutrófilos, neutrófilos segmentados, linfócitos, plaquetas, fibrinogênio, tempo de tromboplastina parcial, tempo de protrombina, lactato desidrogenase, ferritina, dímero D e proteína C reativa) determinaram 14 dias após o diagnóstico de COVID-19 estavam em sua maioria dentro dos valores de referência ou negativos. A partir desta pesquisa, concluiu-se que a evolução clínica, epidemiológica e laboratorial  são compatíveis com os achados clínicos da literatura sobre casos leves de COVID-19.

 

 

Introdução

 

A COVID-19 (doença do coronavírus 2019) é uma doença infecciosa causada pelo SARS-CoV-2, responsável pela síndrome respiratória aguda grave, que pode levar à morte [1]. A COVID-19 tem várias manifestações clínicas, pode ser assintomática ou gerar quadros leves, moderados e graves [2]. Outras manifestações clínicas podem incluir febre, dificuldade em respirar, tosse, coriza, dor de garganta, perda de olfato e paladar e até morte por falência múltipla de órgãos. O primeiro caso foi relatado em dezembro de 2019 em Wuhan, China e se espalhou pelo mundo em ritmo acelerado, inclusive no Brasil [1]. Atualmente, existem mais de 490 milhões de registros associados a indivíduos infectados e mais de 6 milhões de mortes em todo o mundo, além de casos não notificados. A forma clínica da doença dependerá da genética, idade, sexo e comorbidades. Os fatores de risco mais associados a quadros clínicos graves de COVID-19 são idade avançada, sexo masculino e doenças crônicas como diabetes mellitus, hipertensão arterial, doenças cardiovasculares, doenças renais crônicas [2,3]. Acredita-se que a patogênese do coronavírus esteja associada a uma resposta imune desregulada, que gera alterações nos níveis séricos de citocinas. A produção excessiva de citocinas pró-inflamatórias resulta em diversas alterações, como extravasamento de plasma e alterações vasculares [3]. Os estudos disponíveis sobre a correlação entre alterações em marcadores laboratoriais e COVID-19 mostram resultados divergentes. Os achados laboratoriais mais comuns são aumento da proteína C reativa (PCR), desidrogenase lática, leucócitos, neutrófilos, ferritina, dímero D, fibrinogênio, tempo de protrombina, tendência trombótica e diminuição de linfócitos, eosinófilos, eritrócitos e plaquetas. Diferenças significativas nos marcadores laboratoriais foram encontradas em COVID-19 grave em comparação com não grave, sugerindo que alterações nesses marcadores predizem a gravidade da doença [4-7]. De acordo com um dos estudos, os níveis de PCR e procalcitonina estavam acima da faixa normal em todos os pacientes com COVID-19, independentemente da gravidade [5]. A análise dos fatores de risco e marcadores laboratoriais associados à gravidade da COVID-19 é de grande importância para o manejo da doença, pois a partir desse conhecimento, os pacientes com essas alterações poderão ter acesso a um acompanhamento mais intenso e intervenção médica precoce a fim de evitar um pior prognóstico [6]. A pandemia de COVID-19 tem sido um desafio.

 

 

Material e Método 

 

Assim, este estudo tem como objetivo avaliar informações epidemiológicas, clínicas e laboratoriais de pacientes da comunidade com resultado positivo para o coronavírus atendidos em um laboratório primário de Juiz de Fora/Minas Gerais. Esta data pode ser útil para analisar o prognóstico clínico de pacientes assintomáticos ou com COVID-19 moderado, com foco no manejo e alocação adequada de cura

Este estudo foi baseado na análise de dados de indivíduos de ambos os sexos, maiores de 18 anos, exclusivamente ambulatoriais, com resultado positivo para COVID-19 (n=20). Informações epidemiológicas, clínicas e laboratoriais de pacientes atendidos em um laboratório privado, localizado em Juiz de Fora – Minas Gerais, Brasil. Assim, esta pesquisa foi baseada na observação de prontuários eletrônicos desses participantes no Laboratório, contendo informações epidemiológicas e resultados de exames dos indivíduos. Os dados epidemiológicos utilizados foram idade, sexo, tabagismo, etilismo, hipertensão arterial sistêmica, diabetes, doença do trato respiratório superior, doença autoimune, gravidez, terapia anticoagulante, terapia vitamínica, vacina Influenza, vacina pneumocócica e histórico de viagens. As informações clínicas coletadas foram febre, tosse, mialgia, diarreia, corrimento, coriza e perda sensorial. O exame laboratorial utilizado para o diagnóstico de COVID-19 foi RT-PCR, com base na descoberta de RNA SARS-CoV-2 em swab nasofaríngeo. Os biomarcadores laboratoriais pesquisados foram hemácias, hemoglobina, hematócrito, leucócitos, eosinófilos, bastonetes neutrófilos, neutrófilos segmentados, linfócitos, plaquetas, fibrinogênio, tempo de tromboplastina parcial, tempo de protrombina, lactato desidrogenase, ferritina, dímero D e proteína C reativa (CRP). Todos os biomarcadores foram determinados por coleta de sangue após 14 dias de teste para COVID-19. É importante destacar que este estudo foi realizado entre março e maio de 2020, período em que circulava apenas o SARS-CoV-2 do tipo selvagem e os indivíduos não haviam recebido nenhuma dose da vacina para COVID-19. Este estudo foi realizado mediante consulta e anuência dos participantes, conforme projeto aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da UFJF, com número 4.057.992, CAAE 31527720.3.0000.5147.

 

 

Resultados

 

De acordo com os prontuários, nenhum dos pacientes avaliados nesta pesquisa era assintomático para COVID-19. Entre os sintomas mais frequentes estavam mialgia (50%, n=10) e febre e tosse (45%, n=9). 35% (n=7) relataram coriza e diarreia e 40% (n=8) relataram perda sensorial (Tabela 1. Perfil clínico e epidemiológico dos pacientes com COVID-19 moderado e material suplementar). A avaliação das comorbidades relatadas pelos pacientes diagnosticados com COVID-19 neste estudo revelou 25% dos pacientes com alcoolismo e hipertensão arterial sistêmica, 10% com doença do trato respiratório superior e 5% com gravidez (Tabela 1. Perfil clínico e epidemiológico dos pacientes com COVID-19 e material complementar). De acordo com a Tabela 1, 15% (n=3) dos pacientes relataram terapia anticoagulante, 20% (n=4) revelaram terapia vitamínica, 45% (n=9) relataram ter recebido vacina contra influenza, 5% (n=1) pneumocócica vacina e 25% (n=5) relataram histórico de viagens. Nenhum dos pacientes relatou tabagismo, diabetes ou doença autoimune. Houve aumento de hemoglobina, glóbulos brancos, neutrófilos segmentados e plaquetas em 10% dos pacientes. 20% tiveram aumento de eritrócitos e 10% diminuição, 40% aumento de hematócrito e 10% diminuição, 15% diminuição de eosinófilos, 50% diminuição de neutrófilos, 40% aumento do fibrinogênio, 95% tiveram aumento do tempo de tromboplastina parcial, 50% tiveram aumento do tempo de protrombina, 5% apresentaram aumento da desidrogenase lática, 60% apresentaram aumento da ferritina e 20% apresentaram PCR positivo (material suplementar). Linfócitos e D-dímero estavam dentro do valor de referência em todos os pacientes (Tabela 2. Dados laboratoriais de pacientes com COVID-19 moderado e material suplementar).

 

Discussão

 

Como a maioria das infecções, a virulência do SARS-CoV-2 ocorre de forma contínua, a doença pode apresentar sintomas que vão desde os encontrados em casos normais de gripe até dificuldades respiratórias e pneumonia, alguns indivíduos que atingem a infecção são assintomáticos, outros apresentam doença leve , enquanto um pequeno subconjunto de indivíduos progride para COVID-19 grave ou com risco de vida [3,8]. Os pacientes com COVID-19 apresentam graus variados de gravidade e 80% deles têm infecção leve [9]. No presente estudo, os 20 pacientes analisados ​​apresentaram casos leves de COVID-19 e foram tratados sem necessidade de internação. O teste RT-PCR é usado para identificar o RNA do coronavírus em amostras de nasofaringe, orofaringe e do trato respiratório inferior [10]. Apesar de ser um método muito eficaz, a infecção não pode ser absolutamente descartada por um resultado negativo, sendo importante analisar as condições clínicas do paciente, bem como as informações epidemiológicas [10]. Assim, com base nos resultados obtidos neste estudo, é possível inferir que o diagnóstico laboratorial realizado precocemente (fase aguda da infecção), bem como a utilização de uma metodologia analítica considerada padrão ouro como o RT-PCR para COVID-19 pode ter contribuído para o desfecho favorável desses indivíduos. Os sintomas clínicos mais comuns de COVID-19 relatados em várias pesquisas foram febre, tosse, dor de cabeça, dor de garganta, anorexia, mialgia, dispneia e produção de escarro [3,9]. Além disso, os pacientes podem perder a capacidade de saborear e cheirar, e alguns têm vômitos e diarreia [3,8]. 50% dos pacientes do estudo relataram mialgia, embora outros sintomas também tenham sido relatados, como febre, tosse, diarreia, coriza e diminuição sensorial, corroborando pesquisas anteriores. O sexo masculino foi demonstrado em estudos anteriores como um dos fatores de risco para o desenvolvimento da COVID-19 [2]. 65% dos pacientes analisados ​​no presente estudo eram homens, o que confirma o achado. Presume-se que o COVID-19 seja capaz de danificar órgãos, incluindo fígado, rins, coração e outros órgãos, e comorbidades pré-existentes desses órgãos promovem ainda mais a progressão do COVID-19 e levam a resultados graves e fatais [2].

Muitos estudos têm demonstrado que a presença de comorbidades é mais comum entre pacientes com doença, doenças cerebrovasculares e doença renal crônica [2]. O baixo nível sustentado de imunidade em pacientes com diabetes e hipertensão levará à redução da resistência às infecções virais [2]. Diabetes e hipertensão de longo prazo podem danificar a estrutura vascular e enfraquecer a função cardíaca, o que torna esses pacientes mais propensos a desenvolver doenças críticas no COVID-19 [2]. Uma parcela significativa dos pacientes (25%) apresentava hipertensão arterial sistêmica e etilismo. Uma parcela menor (10%) tinha doença do trato respiratório superior. Nenhum dos pacientes analisados ​​relatou diabetes e doença autoimune. A menor prevalência de comorbidades, neste estudo, é resultado que corrobora com a literatura atual, uma vez que os pacientes analisados ​​apresentavam casos leves de COVID-19, enquanto patologias pré-existentes influenciam no desenvolvimento de quadros graves. A maioria dos pacientes receberam a vacina contra o vírus Influenza. Esses dados sustentam a hipótese da existência de imunidade cruzada entre o vírus Influenza e SARS-CoV-2, fato já observado anteriormente com outros coronavírus (17). Também foi sugerido que a imunidade induzida pela vacina contra a Influenza poderia gerar uma imunidade mantida (imunidade do espectador), que “ajudará” no combate à infecção pelo novo coronavírus. Este fato reforça o potencial benefício da vacinação da Influenza para reduzir a gravidade da doença COVID-19 [11].

Considerando os efeitos multissistêmicos tanto do excesso de consumo de álcool  e COVID-19, o abuso de álcool aumenta sinergicamente risco de lesão cardíaca, síndrome do desconforto respiratório agudo, fibrose pulmonar e danos no fígado, agravando assim a doença em prognóstico e resultado [12]. O relatório de consumo de álcool entre os indivíduos desta pesquisa (45%, n=5) não foi relevante para compreender o prognóstico desfavorável da COVID-19. Como estava associado a ser controlado, do tipo ocasional, reafirmando que a ausência de comorbidades predispõe a condições. O mesmo ocorre com o tabagismo, que não foi relatado por qualquer paciente analisado. No entanto, as meta análises epidemiológicas resultados sugerem que o tabagismo ativo está significativamente relacionado com o risco de maior gravidade do COVID-19 [13]. 

Foi mostrado, neste período de pandemia, que existem biomarcadores relacionados ao SARS-CoV-2, demonstrando assim sua importância, seja como um indicador de
o estado atual da doença, ou como marcador prognóstico [14].

Na análise do hemograma, um elemento importante que deve ser avaliado é a linfopenia (redução do número de linfócitos), além do fato de que em alguns casos a neutrofilia (aumento do número de neutrófilos) também é destacada [15] . A redução do número de linfócitos é um marcador que sugere inibição da resposta imune durante o COVID-19 [16,17]

Tal resultado não foi encontrado em nosso estudo, uma vez que as contagens de linfócitos dos pacientes estavam dentro da faixa esperada. Com relação à contagem de neutrófilos, observou-se aumento desse marcador em 10% “de pacientes com COVID-19.

Observou-se que ocorreu um aumento da ferritina em alguns pacientes que testaram positivo para COVID-19. A ferritina é um importante mediador da desregulação imune, uma vez que a hiperferritinemia tem um efeito pró-inflamatório e contribui para a tempestade de citocinas [18]. Marcadores como D-dímero elevado, tempo de protrombina e lactato desidrogenase e hemoglobina reduzida também foram encontrados em exames laboratoriais de indivíduos com a infecção [3]. Em relação aos pacientes analisados ​​percebe-se que alguns apresentaram aumento do tempo de protrombina e da lactato desidrogenase, mas todos estavam com as taxas de dímero d no parâmetro de normalidade. Em relação à hemoglobina observou-se um aumento. Outra alteração encontrada na hemostasia é o aumento do tempo de tromboplastina parcial [19]. Tal alteração também foi observada nos prontuários analisados. Com base nos biomarcadores analisados, verificou-se que a contagem de leucócitos e plaquetas, determinação de fibrinogênio, desidrogenase lática e ferritina podem ser ferramentas de escolha para monitorar e prognosticar casos comunitários de COVID-19, pois se mostraram alteradas em indivíduos com este perfil de doença, mesmo tardiamente (14 dias após o diagnóstico laboratorial de COVID-19). 

 

Conclusão

 

Em conclusão, nossos resultados não indicam que pacientes adultos com baixa incidência de comorbidades afetadas pelo COVID-19 têm pequenas mudanças significativas em biomarcadores de laboratório. Essas descobertas indicam um bom prognóstico para a doença, negando a necessidade de hospitalização. Estudos futuros são necessários para entender a
correlação entre a presença do coronavírus e seus várias variantes de preocupação para a microbiota do trato respiratório superior. 

Tabela 1: Perfil clínico e epidemiológico de pacientes com COVID-1 moderado

 

 

Tabela 2: Dados laboratoriais de pacientes com COVID-19 moderado

 

Você pode conferir o artigo no site da Biomedical na integra. Acessar Site Biomedical